Câmara Criminal mantém sentença sobre esquema fraudulento de diárias na Sesap

29 nov 2019

Os desembargadores da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RN negaram provimento aos recursos movidos pelo Ministério Público Estadual e por uma ex-servidora estadual em um caso envolvendo o deferimento indevido para o pagamento de Pedidos de Concessão de Diárias (PCDs) no âmbito da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), em dezembro de 2008.

De um lado, o MP pedia a reforma da sentença que absolveu as acusadas Maílde Alves de Oliveira e Célia Maria Bulhões. De outro, Dayse Maria Nóbrega Silva, que havia sido condenada em primeira instância, pleiteava a mudança no julgamento. Contudo, nenhum dos argumentos foi acolhido no órgão julgador.

As práticas envolvidas estão relacionadas aos crimes previstos nos artigos 313A do Código Penal, que consiste em inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados; artigo 314, que reza sobre o extravio de livro oficial ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo ou sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente; bem como o artigo 71, que existe quando o agente, mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes da mesma espécie e, pelas condições de tempo, lugar e maneira de execução.

Na sentença de 1º Grau, as rés Clélia Rejane Costa da Silva e Dayse Maria Nóbrega Silva foram condenadas a reparar o prejuízo causado no importe de R$ 5.580, bem como foi determinada a perda do cargo, função pública e/ou mandato eletivo exercido pelas sentenciadas.

Diante da análise dos autos, restou comprovada a existência de um esquema criminoso para a apropriação indevida de diárias no âmbito da Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio Grande do Norte, restando evidente que as rés Clélia Rejane e Dayse Maria Nóbrega Silva, utilizando-se da senha do Secretário Adjunto do Órgão, autorizavam a concessão de diárias, que eram recebidas por intermédio das contas-correntes das acusadas”, ressalta a relatoria do voto.

O órgão acrescentou que, embora o crime em questão (peculato eletrônico) só possa ser praticado pelo funcionário público autorizado, por se tratar de um crime funcional com exigência específica, é possível que funcionários diversos do titular da senha também respondam pelo crime, visto que é possível enquadrá-los na regra prevista no artigo 30 do Código Penal, o qual discrimina que as circunstâncias de caráter pessoal, quando elementares do crime, comunicam-se a todas as pessoas que dele participem.

A decisão ainda enfatizou que os vestígios das fraudes foram verificados nos Pedidos de Concessão de Diária, bem como nos relatórios de viagens, todos montados falsamente para legitimar a concessão das diárias e que o próprio magistrado, em audiência, destacou que, de “forma grosseira”, é possível identificar que as assinaturas atribuídas à Célia Maria Bulhões não correspondiam com a veracidade.

Para os argumentos do Ministério Público, a Câmara Criminal definiu que não existem provas suficientes para reformar a absolvição de alguns envolvidos.

Compartilhar

Anna Ruth

Anna Ruth Dantas é jornalista, apresentadora do programa RN Acontece, da Band Natal; produz e apresenta o programa Jornal da Cidade, da Rádio Cidade (94 FM - Natal), e apresenta o programa Panorama do RN (em rede com 16 emissoras de rádio do Rio Grande do Norte). Jornalista de grande credibilidade, atua também como consultora e ministra cursos de midia trainning na Trilhar Educação Corporativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *