MPF diz que há evidências de que Lula se beneficiou de esquema na Petrobras

O ex-presidente Lula e o presidente nacional do PT, Rui Falcão Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
04 mar 2016

Do JC online:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de líder do Partido dos Trabalhadores, teria se beneficiado do esquema de corrupção da Petrobras, segundo o Ministério Público Federal. Em nota divulgada no site, o órgão afirma que o político é “o responsável final pela decisão de quem seriam os diretores da Petrobras e foi um dos principais beneficiários dos delitos”. A força-tarefa da Operação Lava Jato levou Lula para depor coercitivamente na manhã desta sexta-feira (4) dentro da 24ª fase.

Segundo a nota da MPF, que detalha as ações da 24ª fase da Lava Jato, surgiram evidências de que os crimes enriqueceram Lula e financiaram campanhas eleitorais e o caixa do partido. Também “há fortes evidências de que outros líderes e integrantes do Partido dos Trabalhadores foram agraciados com propinas decorrentes de contratos da Petrobras”.

A procuradoria afirmou ter ouvido zelador, porteira, síndico, dois engenheiros da OAS, bem como dirigentes e empregado da empresa contratada para a reforma do tríplex no Guarujá. Todos os depoimentos recolhidos apontam o envolvimento do núcleo familiar de Lula em visitas e tratativas sobre a reforma do apartamento, o que serviria como prova de que o líder partidário teria sido, em 2014, beneficiado com pelo menos R$ 1 milhão por meio de reformas e móveis de luxo implantados no apartamento. A suspeita é de que a esta foi a propina decorrente do favorecimento ilícito da OAS no esquema da Petrobras.

Além disso, segundo o ministério, as apurações também mostram que, em 2010, Lula adquiriu dois sítios em Atibaia pelo valor de R$ 1.539.200,00. Os imóveis estão no nome de Jonas Suassuna e Fernando Bittar, sócios de Fábio Luís Lula da Silva (filho de Lula). Entre 2010 e 2014, Lula teria recebido pelo menos R$ 770 mil do pecuarista José Carlos Bumlai e das empresas Odebrecht e OAS, beneficiados pelo esquema de corrupção na Petrobras.

O MPF afirma ainda a existência de “fortes indícios” de que a empreiteira OAS pagou R$1,3 milhão a uma empresa para armazenar pertences de Lula. O contrato, no entanto, teve o “real objetivo escondido”, uma vez que a nota fiscal informava que os itens armazenados eram da OAS.

O Ministério Público investiga ainda grandes pagamentos feitos por construtoras beneficiadas no esquema Petrobras em favor do Instituto Lula e da LILS Palestras. “De fato, a maior parte do dinheiro que ingressou em ambas as empresas, ao longo de 2011 a 2014, proveio de empresas do esquema Petrobras: Camargo Correa, OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e UTC”, escreveu a MPF. No Instituto Lula, foram 20,7 dentre 35 milhões que ingressaram. Já na LILS, foram 10 dentre 21 milhões.

Compartilhar

Anna Ruth

Anna Ruth Dantas é jornalista, apresentadora do programa RN Acontece, da Band Natal; produz e apresenta o programa Jornal da Cidade, da Rádio Cidade (94 FM - Natal), e apresenta o programa Panorama do RN (em rede com 16 emissoras de rádio do Rio Grande do Norte). Jornalista de grande credibilidade, atua também como consultora e ministra cursos de midia trainning na Trilhar Educação Corporativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *