MPRN consegue decisão judicial para que Estado regularize serviço voltado para pessoas ostomizadas

MPRN consegue decisão judicial para que Estado regularize serviço voltado para pessoas ostomizadas
29 jan 2020

O Estado do Rio Grande do Norte foi condenado a regularizar o serviço de prestação contínua e regionalizada de avaliação médica rotineira e emergencial às pessoas com estomia de eliminação (ostomizadas). A Justiça potiguar julgou procedente o pleito do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) em uma ação civil pública (ACP).

Na sentença, também foi determinado que o Estado, por meio da Secretaria de Saúde, disponibilize os equipamentos coletores e adjuvantes de proteção e segurança, observando a periodicidade da distribuição e adequação do material no prazo máximo de 20 dias, sob pena de multa semanal no valor R$ 50 mil a ser revertido para o Fundo Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

A ação é um desdobramento de um inquérito civil instaurado pela 9ª Promotoria de Justiça de Natal no qual ficou constatada a ausência do serviço de avaliações médicas rotineiras e emergenciais às pessoas com estomia de eliminação (ostomizadas) domiciliadas no Estado. O MPRN também impugnou por adequações na aquisição e na distribuição de equipamentos coletores e adjuvantes de proteção e de segurança para esses pacientes (como kits de placa, bolsa, bolsa convexo, além de itens acessórios como pastas, talco e lenços, dentre outros).

Assim, na ação o MPRN discorreu sobre o direito que entende ser aplicável, requerendo a adoção de todas as providências necessárias para assegurar a regularidade do serviço prestado pelo Estado e que consiste em: realizar avaliações médicas rotineiras e emergenciais às pessoas com estomias (inclusive de forma regionalizada, na capital e no interior); garantir a aquisição e a distribuição regular de equipamentos coletores e adjuvantes de proteção e segurança para as pessoas com estoma quanto à periodicidade e padronização dos equipamentos; adquirir e distribuir com total regularidade equipamentos coletores e adjuvantes de proteção e segurança para esses pacientes, respeitando a periodicidade de distribuição estabelecida ou necessária e a padronização dos produtos; efetuar o acompanhamento, o controle e a avaliação que permitam garantir o
adequado desenvolvimento das atividades pelas pessoas com estoma (atenção qualificada que envolve a educação para o autocuidado, avaliação das necessidades biopsicossociais gerais do individuo, as específicas relacionadas à estomia e pele periestomia); garantir a participação ativa das pessoas que serão beneficiárias com o fornecimento dos equipamentos coletores adjuvantes de proteção segurança na escolha destes; e realizar processo de testes previsto (para caso de inclusão de novas bolsas ou adjuvantes na oferta dos produtos às pessoas com estomia de que deles necessitem).

Compartilhar

Anna Ruth

Anna Ruth Dantas é jornalista, apresentadora do programa RN Acontece, da Band Natal; produz e apresenta o programa Jornal da Cidade, da Rádio Cidade (94 FM - Natal), e apresenta o programa Panorama do RN (em rede com 16 emissoras de rádio do Rio Grande do Norte). Jornalista de grande credibilidade, atua também como consultora e ministra cursos de midia trainning na Trilhar Educação Corporativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *